E-mail corporativo: a importância do uso para a sua empresa!

Com as ferramentas tecnológicas cada vez mais presentes na estrutura organizacional, muitas empresas estão obtendo ótimos resultados com a elaboração de novos projetos de gestão e a com a adoção de soluções de TI adequadas com a sua proposta de negócio. O fato é que, não existe uma solução padrão, mas, uma coisa é certa: o passo básico a ser dado é adquirir um serviço de e-mail corporativo. “Mas como assim? O e-mail é algo tão simples. ”

É aí que você se engana, mesmo com a adoção em massa de redes sociais e aplicativos de comunicação, para muitas empresas, o e-mail ainda é o principal meio comunicativo, por ser simples, funcional e uma maneira segura de oficializar as informações recebidas e enviadas, sendo uma ferramenta fundamental para empresas de qualquer tamanho ou tipo de ramo. Se você deseja que a sua empresa obtenha credibilidade e também pretende dar mais força a sua marca, priorize, antes de qualquer outra coisa, a contratação de e-mail corporativo com o seu domínio próprio. E nós iremos lhe explicar o porquê. Confira:

Quem é visto sempre é lembrado!

Talvez você ainda não parou para pensar a importância de ter um domínio próprio e possuir um endereço oficial. Lembre-se que, a sua marca e o profissionalismo de sua empresa estarão em jogo e é muito normal ver empresas utilizando domínios comuns das grandes plataformas, divulgando o nome dessas corporações e optando pelo caminho do amadorismo. Customizar os e-mails possibilita uma identificação maior da sua marca com os seus clientes e fornecedores. A circulação de mensagens de e-mail com seu domínio também reduz a chance de suas mensagens serem confundidas com SPAM ou vírus por sistemas de segurança.
Mas você ainda não possui um domínio para sua empresa?

Neste caso, você necessitará de uma ferramenta de registro para conferir a disponibilidade e efetuar cadastro. Nessas plataformas, geralmente, além de realizar a compra do domínio que também pode ser utilizado para o site de sua empresa, você pode também criar as contas de e-mail corporativo. Mas é preciso uma análise mais profunda para escolher um serviço de e-mail que atenda realmente às suas necessidades.
Como escolher um e-mail corporativo?

Existem várias opções pagas ou gratuitas de e-mails que possibilitam que as empresas atribuam o seu domínio e criem caixas personalizadas com o nome de cada funcionário. Mas agora entra algumas questões importantes: quais são os níveis de operações de sua empresa? Como é o seu volume de informações? Se você pretende apenas utilizar as caixas de e-mails de maneira convencional, sem outros recursos estratégicos, administrando as contas de e-mail internamente, essas opções podem ser suficientes. Mas, caso você não queira sofrer com os impactos causados por indisponibilidades, falta de segurança e ausência de recursos mais avançados, você terá que optar por soluções de e-mails corporativos mais robustas, servidores capazes de monitorar e gerenciar toda sua informação, além de garantirem muito mais segurança e estabilidade no sincronismo de dados.

Sua empresa está protegida de um ciberataque feito por Ransomware?

Se você pensa que os assuntos relacionados à cibersegurança são exclusivos das grandes corporações, ainda dá tempo de mudar esse pensamento antes que a sua empresa seja alvo de um ataque por ransomware, que é um tipo de malware que sequestra o computador da vítima e cobra um valor em dinheiro pelo seu resgate. Você não sabe do que estamos falando?

Primeiramente, é necessário entender que cibersegurança é um conceito adotado para proteger seus consumidores, ou seja, é um conjunto de meios e tecnologias que visam blindar, de danos e intrusão ilícita, programas, computadores, redes e dados. A lógica é muito simples: os hackers que antes costumavam buscar muito dinheiro, agora procuram pela vítima mais fraca. Quanto maior a proteção, menor é a possibilidade de se tornar um alvo.

Voltando aos ransomwares, conhecidos como “os vilões mais temidos da internet”, além de terem a capacidade de sequestrar todos os seus arquivos, eles ainda os transformam em mensagens criptografadas e, para decodificá-los, é necessária uma senha. É neste momento que o preço de estar desprotegido vem à tona. Mas como saber se estamos correndo riscos?
Nunca abra e-mails desconhecidos

Um vírus criptor pode invadir seu computador e seus outros dispositivos por diversas formas. O método mais comum utilizado por cibercriminosos é através de e-mails, chamado “phishing”. Infelizmente, por falta de conhecimento dos usuários em identificar uma mensagem maliciosa, como mensagens urgentes de prêmios, ou até mesmo e-mails de clientes e fornecedores já contaminados, elas acabam influenciando o click de forma automática e, consequentemente, permitem que o malware entre no servidor. Por isso, é preciso estar atento com os hiperlinks e anexos. Eles geralmente possuem irregularidades de fácil identificação como erros ortográficos, por exemplo.
Bloqueie o acesso a conteúdo indevido e nem instale aplicações falsas

Bloqueie o acesso a sites com conteúdo adultos ou piratas. Pois esses locais, normalmente, fazem com que o usuário clique em algo que possui uma ameaça. Não dê chance para o azar, restrinja este acesso indevido em todas as suas máquinas de trabalho.

Ao instalar um programa, tenha em mente que o método mais seguro e recomendado é através dos desenvolvedores oficiais. Sem esse cuidado, não se corre somente o risco de ter seu servidor infestado por vírus, mas a sua empresa também estará exposta a diversos problemas jurídicos por infringir direitos de propriedade e patente.
Como andam os seus backups?

Backups baseados em nuvem reúnem ótimos elementos para formar um sistema eficiente e rico em recursos. Utilizar um servidor icloud é uma melhor garantia de proteção e cobertura contra a interrupção de suas atividades, caso surja algum contratempo ou alguma necessidade de reestabelecer as operações de forma imediata. Se um ataque cibernético ocorrer, basta restaurar os arquivos. Um bom planejamento de segurança de dados requer backups frequentes.
Antivírus e antispam

Outra medida importantíssima é o uso de um bom antivírus com controle de conexão de sua máquina e de seu servidor. Como os e-mails são a principal porta de entrada dos ransomware, também recomenda-se contar com o auxílio de um antispam – ferramenta que filtra e bloqueia mensagens suspeitas e indesejadas. Se sua empresa usa o Windows como sistema, vale ainda manter o firewall do software sempre ligado.

Quais métricas utilizar para medir os resultados de TI

Foi-se o tempo em que a tecnologia era usada somente para automatizar as tarefas e eliminar o trabalho humano. Pouco a pouco, ela começou a ser utilizada para enriquecer o processo organizacional, ocupando um espaço essencial para a otimização das atividades e redução de custos, elevando o poder de competitividade entre as empresas.

Mas como qualquer outro investimento, é necessária uma gestão muito bem preparada e adepta para o seu negócio. Não basta gastar grandes quantias e esperar que as soluções por si só sejam capazes de trazer os ganhos esperados. Para que todos esses recursos proporcionem resultados de TI efetivos, é fundamental que eles estejam integrados dentro de um pacote de ações e estratégias de crescimento que englobam todas as áreas da sua empresa.

Mas se você já investiu em TI, tem um plano bem definido e mesmo assim não sabe quais métricas utilizar para medir o desempenho dos processos, fique tranquilo. Confira abaixo as nossas dicas para colher melhor essas informações:
A importância de medir as métricas de resultados de TI

A partir do momento em que é destinado um investimento em tecnologia e estabelecido uma meta de crescimento, as métricas de desempenho serão utilizadas para mensurar como os processos operacionais e de gestão estão realmente impulsionando os seus resultados de TI. Você pode medir de acordo com o perfil de empreendimento ou de acordo com outros players do mercado. Sendo assim, é possível avaliar e rastrear a efetividade de vários aspectos internos, e outros pontos que podem ser melhorados.
Satisfação dos seus clientes em primeiro lugar

Não haverá outro apontador de falhas melhor do que os feedbacks dos seus clientes. Todas e quaisquer mudanças e implantações que forem feitas, por mais que pareçam óbvias, serão medidas através daqueles que compram os seus produtos ou que utilizam os seus serviços. É importante que você disponha de bons canais de relacionamentos para sempre ouvir a opinião do seu bem mais precioso, eles sempre serão ótimos termômetros.
Mas como observar esses dados?

Para ter segurança nesses investimentos sem ter uma equipe técnica de TI à disposição, é necessário ter um suporte muito bem preparado para garantir esse respaldo. Uma equipe especializada no assunto poderá fornecer todos esses dados. Mas é necessário acompanhar todo esse processo. Afinal, é a garantia do crescimento da sua empresa que estará em jogo. Tome nota:

Tenha o registro de todos os problemas rotineiros ou aqueles mais específicos na sua estrutura de TI; registre todas as reclamações sobre equipamentos ou aplicações feitas por seus colaboradores; avalie o prazo em que esses problemas são solucionados; tenha muito claro quais são todos os seus gastos com TI, sejam eles com o suporte, contratos ou ferramentas utilizadas, pois os cruzamentos de todos esses dados irão te ajudar a ter um panorama geral sobre os seus rendimentos e quais os novos rumos a serem dados à tecnologia.

Perda de Dados – 5 sinais de que sua empresa está correndo risco de parar

As empresas brasileiras ainda sofrem com a perda de dados e informações corporativas, mas em contrapartida, ainda resistem a dar a atenção necessária a este setor. A segurança de dados é uma das maiores preocupações entre as empresas de todo o mundo e é apontada como o maior desafio em TI para as próximas décadas. Logo, se você ainda não pensou a respeito, em breve terá que lidar com questões que envolvam a segurança de informações.

Nos últimos anos vivemos um momento pleno de transformações tecnológicas e de acesso a novos meios de comunicação, e isso reconfigurou o mercado, as relações pessoais e a vida como um todo. Para lidar com este grandioso fluxo de informações, é preciso dar atenção especial os métodos e sistemas de segurança da informação, uma vez que, em contrapartida, as ameaças também evoluem a passos largos – e podem fazer qualquer empresa parar quando não amparada por uma estrutura adequada de segurança.
Há indicadores e sinais de que a empresa passa por perda de dados e possui ameaças que podem lhe fazer parar a sua produção ou o atendimento a seus clientes. A perda de dados, dependendo do caso, pode ser um desastre à credibilidade do negócio e até mesmo à sustentabilidade financeiro da sua empresa, além de ser um obstáculo para competir com diferenciação no mercado.

É preciso conhecer de antemão as principais causas e falhas que podem levar à perda de dados da empresa – para isso, é indicado otimizar o gerenciamento adequado do TI, garantindo a segurança e o controle das informações estratégicas, impedindo vazamentos e brechas. Conheça 5 sinais de que a sua empresa está perdendo dados e veja como melhorar o tratamento destas informações.

1) A empresa não investe em segurança de dados

A sua empresa já passou por perda de dados após uma formatação necessário ou problemas técnicos? Os seus funcionários podem acessar todos os tipos de sites, mesmo já tendo ocasionado problemas técnicos quando a malwares e outros elementos nocivos oriundos da internet? A sua empresa já perdeu informações de cadastro de clientes? A rede está lenta aparentemente sem motivos? As licenças utilizadas na empresa são cópias ilegítimas? Há um setor de TI na sua empresa ou consultoria contratada para efetivar os seus processos tecnológicos? Todos estes são exemplos de que algo não vai bem quanto às informações privadas da sua empresa, e principalmente, quando à segurança de dados.

Assim, criar um plano de ação que coloque em perspectiva boas práticas de segurança de dados – comece categorizando as informações por grau de prioridade de proteção, indicando o tipo de proteção e as tarefas necessárias para implementar este planejamento, bem como aquisições, como serviços de backup, antivírus, bloqueio de determinados sites, etc.

DESTAQUE: 5 erros de TI que a sua empresa está cometendo e você ainda não percebeu

2) A empresa não dá muita atenção às ameaças on-line

As ameaças on-line ainda são os principais riscos contra a segurança de informações e podem ocasionar séria perda de dados. É a via de acesso de pessoas e programas mal intencionados às informações da empresa e de seus clientes.

Automatizar determinados processos de bloqueio a certos sites, implementar regras de conduta quanto aos dispositivos móveis particulares e implementar servidores próprios, com contas de e-mail corporativas, por exemplo, já ajudam a conter as ameaças vindas da internet e destes dispositivos.

Há muitos recursos no mercado que ajudam a identificar ameaças deste tipo e fazer uma análise quanto às causas da contínua perda de dados é essencial para qualquer empresa.

3) A sua empresa não possui a gestão de TI integrada

A gestão de TI deve ser integrada com outros setores da empresa e com o seu plano de negócio. Não tem como evitar a perda de dados se o setor de TI não sabe o que ocorre em todas as demais artes da corporação, as necessidades tecnológicas de cada segmento, o comportamento de seus usuários e a estrutura disponível para que sejam feitas ações preventivas e corretivas neste sentido. Se na sua empresa não há esta integração, com certeza ocorre a perda de dados.

perda de dados

Apenas com a integração da gestão de TI com os demais setores da empresa é possível atuar de forma preventiva, bloqueando ações antes que cheguem às últimas consequências. Desta forma, é possível apontar invasões e ameaças, implementar a solicitação de dados mais seguros de acesso à estrutura tecnológica, fazer o levantamento de necessidades de segurança, integrar sistemas e ainda captar informações importantes para a tomada de decisão.

4) Falta de capacitação e conhecimento dos usuários

A falta de cumprimento às regras, a falta de conhecimento e de capacitação dos colaboradores usuários podem efetivar a perda de dados em sua empresa. Por exemplo, os seus funcionários respeitam as limitações existente quanto ao acesso e ações indevidas? Como você sabe disso? Tem evidências? Há monitoramento de acessos – seja a sites ou áreas restritas? A gestão de senhas é feita corretamente – por exemplo, é solicitada a troca periódica? Seus colaboradores saber realizar backups? Quais ações que vêm ocorrendo quanto ao comportamento de funcionários que podem colocar os dados internos em risco? Estes questionamentos são válidos na hora de verificar se a perda de dados é oriunda do desconhecimento do colaborador. Investir em capacitação é uma forma de evitar problemas deste tipo.

5) Não ter infraestrutura adequada

É preciso ter um orçamento definido e contínuo para a proteção de suas informações sigilosas. Se a sua empresa vem enfrentando perda de dados é possível que não tenha a infraestrutura adequada para dar suporte às informações – que muitas vezes, por negligência, é impossível de serem recuperadas.

Aqui entra novamente a importância da gestão integrada de TI, que pode identificas as demandas e necessidades, com foco no negócio. Desta forma, será possível adquirir os recursos necessários para a segurança de dados – atualmente, há recursos que podem ser adquiridos com ótimo custo-benefício, até para as empresas menores e empreendedores individuais.

4 sinais que a sua empresa está precisando de suporte de TI

Quando o assunto é soluções e suporte de TI, o barato pode sair caro. Para que os seus negócios possam deslanchar de vez, é importante destinar investimentos à criação de uma estrutura tecnológica robusta. Principalmente porque a segurança de todos os dados da sua empresa (e dos seus clientes) está em jogo.

O gerenciamento de informações de uma empresa requer cuidados periódicos. Para manter esse fluxo em pleno funcionamento, é necessário que a sua empresa tenha à disposição uma equipe de suporte eficiente. Se você ainda não conta com uma boa infraestrutura de TI ou com profissionais dedicados em garantir que você não tenha nenhum problema, uma coisa é certa: chegou o momento de você tomar uma decisão. Ou prefere continuar correndo riscos? Confira abaixo os principais sinais de que a sua empresa precisa de um suporte de TI

Computadores lentos

Seu colaborador chega no escritório, e enquanto o computador está sendo inicializado, ele aproveita para buscar um café, mas ao voltar se depara com a mesma situação: O sistema operacional continua no processo de inicialização. Isso pode acontecer por diversos motivos. Na maioria das vezes isso ocorre porque, na instalação de um software, o mesmo é configurado para inicializar com o sistema operacional. Por conta disso, o sistema fica sobrecarregado tentando fazer funcionar diversos softwares ao mesmo tempo. Esse é um problema simples de ser resolvido. Um suporte de TI pode garantir que as instalações de novos softwares nas máquinas corporativas sejam feitas da maneira mais correta e segura. Isso garante não só melhor desempenho do computador, mas também evitando a infecção de vírus ou malwares por instalações duvidosas.

Uso de dispositivos desatualizados

Naturalmente o tempo de utilização de um dispositivo é um fator determinante em seu desempenho. Os equipamentos antigos tendem a perder performance dificultando o trabalho do usuário. Isso não quer dizer que eles devem ser descartados, mas devem passar por manutenções mais frequentes e mais profundas, para prevenir futuros problemas e melhorar o seu funcionamento.

Redução de Custos com suporte de TI

“Reduzir os custos enquanto invisto em TI?” Exatamente. Garantir qualidade tecnológica ao seu negócio, utilizando o auxílio de uma TI com foco em inovação, que vai migrar toda a informação da sua empresa para nuvem, por exemplo, diminuirá gastos com infraestrutura, mão-de-obra e até energia, impactando diretamente na redução de custos. A troca de equipamentos antigos também é um investimento que enxuga os gastos com manutenção a longo prazo.

Falta de Planejamento

Para investir, primeiro é preciso planejar, e na área de TI isso não é diferente. É preciso entender que um suporte de TI eficiente está apto para oferecer um planejamento. De acordo com as necessidades que a sua empresa necessita. Com isso, é possível identificar melhorias, trocas e manutenções. Contar com um serviço de retaguarda é fundamental para o crescimento do seu negócio. E através do suporte de TI, você terá o apoio de diversos especialistas, prontos para oferecer a devida qualidade tecnológica para o seu negócio.

Por que sua empresa precisa de suporte em informática?

A informática está presente em todas as empresas de alguma forma, independentemente de seu porte ou mercado de atuação. A constante evolução da tecnologia e a crescente exigência do mercado por eficiência, faz com que as empresas precisem cada vez mais de sistemas, aplicativos, dispositivos móveis, equipamentos, link de internet, telefonia, entre outros recursos. E, a conclusão que chegamos é: ou a empresa usa a tecnologia a seu favor, ou é engolida por ela.

Para que uma empresa consiga acompanhar esse ritmo, bem como suportar a complexidade que aumenta com a adoção de novas tecnologias, ela precisa estar respaldada por especialistas que podem deixá-la livre de problemas como:

  • Pirataria e problemas de conformidade;
  • Recursos ociosos e/ou obsoletos;
  • Falhas e indisponibilidades na operação;
  • Vulnerabilidades na rede e vazamento de informações;
  • Falta de informação para tomar as decisões corretas.

O objetivo de um suporte em informática é possibilitar que a empresa esteja respaldada em termos de tecnologia. Para que a operação funcione de forma segura e estável, a tecnologia chega a ser um diferencial competitivo. Contudo, muitas empresas ainda enxergam essa área como um custo.

Vamos dar um exemplo: quanto custa para uma empresa passar uma tarde inteira sem acesso ao principal sistema de gestão? E as várias interrupções que os usuários passam por não conseguirem acessar um programa, ou mesmo utilizar a impressora? Ou ainda, se durante todo o mês a equipe está utilizando a rede com metade da velocidade que poderia ter, pois existe um gargalo que ninguém identificou?

Na grande maioria dos casos, os possíveis problemas causados pela ausência de um suporte de informática custam muito mais do que contratar essa área. Falaremos aqui, de uma forma geral, sobre o momento adequado para cada porte de empresa:

Empresas iniciantes

Advogados, contadores, arquitetos, engenheiros, comerciantes, entre outros – dificilmente terão conhecimento para fazer o devido planejamento da TI. Por isso, é importante que exista um suporte de informática desde os primeiros meses. Assim a TI torna-se um importante pilar dentro da estratégia da empresa, ajudando na escala do negócio e poupando custos.

Pequenas empresas

Quando se deparam com a necessidade/problema da tecnologia, buscam por alternativas e se deparam com um dilema. Montar um departamento de informática custa caro, principalmente para uma empresa especializada em seu ramo. E ao mesmo tempo é difícil encontrar bons fornecedores para terceirizar o suporte em informática. O principal ponto, nestes casos, é buscar por profissionalização, e assim evitar contratar “freelancers”. Pois o trabalho fica pouco (ou nada) estratégico, e uma hora a empresa ficará na mão.

Empresas de médio porte

Empresas que atingiram um determinado patamar já passaram por diversas experiências e estão mais maduras. Possivelmente, a empresa já experimentou manter um departamento próprio, que muitas vezes deu dores de cabeça para ser gerido. Ou também já teve experiência com fornecedores amadores que deixaram a desejar. Para elas, o mais indicado é contar com um fornecedor de suporte em informática capaz de terceirizar completamente a TI. Seja com técnico residente, ou com suporte remoto combinado com visitas programadas, para garantir que a área será tocada de forma profissional.

Empresas de grande porte

Normalmente, empresas maiores possuem o departamento de TI próprio. E este se justifica quando está dedicado a atividades estratégicas do negócio, diretamente ligadas aos processos e sistemas da empresa. Neste caso, o suporte em informática pode ser feito por um help desk – interno ou contratado com um fornecedor especializado. A vantagem de terceirizar essa área é manter a equipe própria focada na estratégia e desafogada de tarefas mais operacionais. Além disso, fica de responsabilidade do fornecedor manter a equipe capacitada, intermediando o relacionamento com os fabricantes das tecnologias.

 

5 problemas que as empresas enfrentam quando não têm suporte de TI

É pouco provável que haja empresas que não façam uso de nenhum recurso tecnológico nos dias atuais. Como eles trazem muitas facilidades, a maioria das organizações tem ao menos um computador que a ajude a colocar em ordem as tarefas e informações do dia a dia. Contudo, ao fazerem isso, elas passam a correr o risco de sofrerem com alguns problemas, especialmente, se não tiverem uma equipe de suporte de TI para realizarem as manutenções recomendadas.

A seguir, trouxemos os 5 principais problemas de TI enfrentados pelas organizações. Boa leitura!

Hardware/Software desatualizados

Por motivos financeiros ou simples desconhecimento, é muito comum que as empresas usem máquinas e programas que já estão desatualizados em relação às últimas inovações. Além de obsoletos, hardwares e softwares antigos têm o risco de falharem e isso pode causar grandes prejuízos para a empresa.

Também acontece de a empresa não dispor de uma rede de internet suficientemente rápida e que suporte a demanda interna. Como cada vez mais funções dependem de boa conectividade, toda vez que há alguma queda de conexão ou muita lentidão no serviço, a organizam perde tempo e, consequentemente, dinheiro.

Não fazer backup

Dentre as várias possibilidades oferecidas pela tecnologia, o agrupamento e armazenamento de informações é um dos recursos mais utilizados pelas empresas. Planilhas, projetos, banco de dados e outros recursos antes ficavam em arquivos físicos que ocupavam espaço e eram difíceis para acessar, agora são visualizados e alimentados com grande facilidade se estiverem integrados em rede.

Entretanto, é de extrema importância que seja feito o backup regular desses arquivos. Imprevistos, panes, ataques e muitos outros acidentes podem acontecer e fazer a empresa perder tudo. Mais uma vez, isso pode trazer prejuízos financeiros, que podem ser ainda maiores se o ramo de atuação da organização for ligado à manipulação de dados.

Falta de segurança

Este é um problema que pode acometer empresas dos mais diferentes tamanhos, já que a cada dia que passa as organizações estão mais conectadas e, com isso, ficam mais expostas a tentativas de invasão. Além disso, com a cultura do home office, empreendimentos que não fornecem equipamentos devidamente protegidos aos funcionários ou os conscientizam a assegurar os seus próprios, aumentam os riscos de as informações do empreendimento vazarem ou serem corrompidas.

Falta de visão estratégica

Muitas organizações ainda negligenciam a área de TI e subestimam as potencialidades das inovações tecnológicas. Como consequência, seus diretores não veem a área com o destaque que ela merece e acabam a ignorando até surgir algum problema grande.

Também é comum que não seja destinada a verba necessária para assegurar a manutenção dos equipamentos e dos softwares, obrigando os responsáveis pela TI a fazerem escolhas que podem impactar o desempenho da empresa ou, ao menos, retardar o crescimento dela.

Área de TI ineficiente

A inexistência de uma área ou de uma equipe terceirizada que ofereça o suporte de TI é um problema para as empresas. Isso porque, sem esse serviço essencial, as organizações ficam expostas a um efeito dominó de problemas relacionados à manutenção dos servidores e máquinas, elaboração de estratégias, segurança e prevenção de riscos.

O cliente sempre tem razão, mas qual deles?

Nós designers temos um desafio enorme, assim como vários outros profissionais: agradar ao nosso cliente, mas… O cliente que nos contrata ou o que é o nosso alvo como designer?

Quando iniciamos um projeto web, todos os pensamentos são voltados para o CLIENTE usuário, navegabilidade, acessibilidade, design e etc. Por outro lado, o CLIENTE que nos contrata tem suas expectativas pessoais sobre o site, que em algumas vezes não são as mesmas que vemos nos usuário. É quando entra um questionamento…

O Cliente sempre tem razão, mas… Qual deles?

Quando as empresas nos contratam, esperam que desenvolvamos um site que satisfaça uma série de requisitos, os quais deveriam estar escritos em documentos e tudo minuciosamente descrito, como, onde e por que isto ou aquilo deve ou não ficar aqui.

Mas a verdade é que o projeto discutido e aprovado por ambas partes é muitas vezes informal, ou seja, muitos designers e empresas não fazem uso de documentação para elaboração do projeto do site. Isto inevitavelmente trará problemas para ele na hora de dar por terminado um projeto. A conseqüência da falta deste tão precioso documento e sua devida especificação de atributos, costuma ser uma série interminável de modificações excedem e muito os prazos de entrega sem que o orçamento combinado no início se modifique. Portanto, aqui vai a primeira dica, documentar explicitamente tudo nos seus por menores, como, onde e por que isto ou aquilo deve ou não ficar aqui.

Outra dica, use tudo que puder a seu favor, incluindo UML.

Infelizmente, alguns designers, principalmente os que estão iniciando, tendem a ter dois pensamentos: Ou acham que é tudo muito simples, que é só elaborar uma listinha de objetivos, desejos e pensamentos do CLIENTE e isso é um trabalho simples, depois é só verificar se tudo o que foi pedido pode ser realizado com o orçamento atribuído ou pior, acham que isso é baboseira, que não é preciso fazer nada disso, é só perguntar o que o CLIENTE quer, dá o preço e pronto. Mas infelizmente, isso não é tão simples assim.

Para começar, vamos a uma breve definição do que é ser designer:

Entende-se por design o esforço criativo relacionado à configuração, concepção, elaboração e definição de algo, como um objeto, uma imagem, entre outros, em geral voltados a uma determinada função. De uma forma ampla o termo design, refere-se à concepção de uma solução prévia para um problema. – Wikipédia

Embora a percepção do público mude em relação a cada mídia ou aplicação de materiais, o objetivo do design é, de forma intencional, usar o ato de gerar informação como ferramenta para projetar conceitos. – Hélio Sassen Paz

O Design é uma atividade cujo objetivo é estabelecer qualidades multi-facetadas de objetos, serviços e seus sistemas em ciclos de vida completos. Portanto, design é o fator central da humanização inovadora das tecnologias e um fator crucial de intercâmbio cultural e econômico. – web

Com isso entendemos que é de, certa parte, nossa obrigação fazer com que o site obtenha êxito. Portanto é imprescindível elaborar um projeto onde possa ser passado ao CLIENTE o por que de cada item, além de garantir uma maior probabilidade de êxito, garantimos também que os prazos serão mantidos. Outro porque de elaborar um projeto é que, quando um CLIENTE pensa em ter um site, o pensamento dele é voltado para ele e não para seu CLIENTE. Quem nos contrata, em algumas vezes, não conhece muito sobre web.

Com boa intenção ele elabora seu próprio site e acha que é o melhor. É nosso dever mostrar qual deve ser o melhor a ser feito, nosso compromisso é de criar soluções, e isto nem sempre é possível acatando unicamente os requerimentos do Cliente.

É indispensável levar em conta o segundo cliente: o internauta, que é quem vai navegar no site . Mesmo que o cliente possa solicitar uma mudança de design em seu site para conseguir maior espaço para publicidade, este requisito pode afetar negativamente aos usuários que tratam de localizar determinado artigo ou informação oculta entre um emaranhado de anúncios. Embora a mudança de design possa conseguir os objetivos empresariais, os usuários do site o considerarão um fracasso. Obviamente, se os usuários deixam de acessar o site, os anúncios não terão sentido.

Deve ser nossa responsabilidade, como designers, colocar estes pontos claramente antes de formular a lista de objetivos. Quando as necessidades empresariais e as dos usuários são antagônicas teremos que manter um delicado equilíbrio entre os dois pontos de vista, embora termine prevalecendo o do cliente.

Para manejar melhor estas duas forças em questão, deveríamos analisar e conhecer um pouco melhor a cada uma:

Os objetivos do cliente

É muito habitual que os clientes não pertençam ao nosso próprio setor. Por mais que provenham do setor de serviços, industrial ou que se trate de um profissional independente que deseja estabelecer sua presença na internet, não costumam ter experiência com design. Acima de tudo, por isso recorrem ao nosso serviço. E esse desconhecimento é mútuo, pois também não sabemos nada das indústrias de nossos clientes assim como eles tampouco de nosso trabalho. Por isso é importante que ambas partes se conheçam.

Ao reunir os objetivos do projeto convém saber o máximo possível sobre o cliente e sobre o contexto em que se desenvolve sua atividade. Nenhuma pergunta é básica demais. Necessitamos de informação sobre as vendas, suas estratégias de mercado e seus competidores. Ao ter em mãos estas informações devemos explicar nosso trabalho da forma mais clara possível. E não estou falando de qual linguagem será usada ou cor e etc. Teremos que mostrar ao cliente o aspecto de criar uma solução que terá um projeto, do início ao fim.

Lembre-se, alguns clientes não vêem a internet como ela realmente é, acham que apenas as pessoas que ele pensou serão as que estarão navegando.

As necessidades do internauta

Existem bons livros que falam sobre usabilidade a qual é uma metodologia científica aplicada na criação e remodelação de interfaces de sites, intranets, aplicativos, jogos e produtos de modo a torná-las fáceis de aprender e de usar.

Benefícios da Usabilidade
  • Maior número de transações bem sucedidas no site
  • Diminuição da evasão de usuários por desistência
  • Aumento da eficiência de seu site/intranet
  • Custo menor de suporte e treinamento
  • Maior fidelidade do usuário ao seu aplicativo ou jogo
  • Percepção positiva da empresa

E nós não podemos esquecê-la. Este é o primeiro item para entendermos as necessidades do internauta.

O que o Internauta Quer

1- Internautas sabem exatamente o que não querem: Eles não querem é perder tempo. principalmente esperando que o logo que gira ou a página em Flash carregue.

Os veteranos, que já têm hábitos de navegação estabelecidos e são cada vez mais exigentes. Os calouros iniciantes, para quem tudo é lindo e maravilhoso, e que provavelmente vão gastar a maior parte do tempo trocando piadas e fotos por e-mail e procurando sites de sexo no Japão e na Suécia. (São esses os que acabam abrindo arquivos I love you e coisas do estilo). Você tem que adequar o seu site a ambos os públicos com a enxurrada constante de novos internautas.

2- Internautas querem que você filtre a informação para eles: Um estudo feito pela Ernst & Young mostra uma coisa fantástica: o valor por quilo da produção americana vem aumentando, devido à informação embutida nos produtos. Exemplo: uma batata custa US$ 0,79 por quilo, um carro custa US$ 5,95 por quilo, um computador US$ 168 por quilo e um remédio como o Viagra, cerca de US$ 23.199.

Isso mostra claramente que, quanto mais sofisticado o produto/serviço (logo, quanto mais informação e conhecimento for necessária para desenvolvê-lo), mais caro ele é.

Mas se a informação é tão importante, porque essa bagunça toda na hora de organizá-la? No começo, os maiores sistemas de busca orgulhavam-se de ter milhões e milhões de páginas catalogadas. Hoje ninguém mais se posiciona como o maior catálogo de endereços do mundo – simplesmente porque ninguém quer chegar no Cadê, digitar vendas ou marketing e aparecerem 536 registros. Possivelmente os 20 primeiros serão analisados, o resto vai para o lixo. Não temos tempo para analisar tudo – queremos a informação filtrada e editada.

3- Internautas querem que você apresente de maneira inteligente e compreensível a informação: Os designers que trabalham com Internet são, na maioria, muito jovens, e não têm a mínima condição / conhecimento / curiosidade de saber como funciona o olho humano, o seu cérebro, a leitura, a psicologia necessária para transmitir informações etc. Eles fazem uma diagramação bonita e, como naquela propaganda da IBM, ficam maravilhados com o logo que gira.

Então vemos textos intermináveis, com letras estranhas, fundos coloridos, colunas longas, movimentos que distraem e tudo que for possível imaginar para fazer com que o leitor não assimile a informação (enquanto a banda larga não chegar, somos todos leitores na Internet).

David Ogilvy nunca fez nada na Web, mas organizou as regras de como fazer com que um texto seja lido. Na Internet, essas regras continuam as mesmas (e estão todas lá, no seu livro Confessions of na Advertising Man – é de 1963, porém está mais atual do que nunca).

Se quiser realmente aprofundar-se, leia Visual Explanations, do Tufte.

4- Internautas querem que você cumpra o que prometeu: O outro dia, depois de uma coletiva de imprensa onde fomos apresentados a um desses megasites de compras, chegamos na empresa e decidimos comprar um aquecedor. Obviamente, fomos ao site procurar aquecedor – o resultado da busca foi uma cafeteira e um produto para os cabelos.

Não estamos nem falando de logística, que a grande pedra no sapato do e-commerce brasileiro – do que adianta ter a informação no seu site, se o cliente não encontra? Os cursos de biblioteconomia mudaram seu nome, recentemente, para Gestão da Informação. Agora pergunto: quantos sites brasileiros de profissionais de Gestão da Informação atuando agressivamente e com poder de decisão, na forma como as informações são apresentadas/arquivadas/catalogadas num site?

5- Internautas querem que você mantenha-se em contato: Semanalmente, concedo a uma empresa escolhida o Troféu Abacaxi em Marketing, para gente que anda pisando na bola. Muitos leitores enviam-me contribuições e 90% delas estão relacionadas a problemas de atendimento – gente que simplesmente não atende o telefone ou retorna ligações, não disponibiliza e-mail para contatos ou simplesmente não responde as mensagens.

Fortunas gigantescas poderiam ser economizadas em propaganda e pesquisa se as empresas dessem mais atenção a esse simples detalhe. Se a eficácia do 0800 está mais do que comprovada como ferramenta de Marketing, porque esse mal trato com e-mails?

6- Internautas querem velocidade: Uma das coisas mais incríveis que existe na Internet é a velocidade de resposta. Sempre estive preocupado com coisas que dão retorno: chamadas, ilustrações, cores, fotos, assinaturas etc. A Internet é o meio ideal para fazer isso. O problema é que nunca pára: um bom site está permanentemente evoluindo. Você aprende, muda, testa, aprende – é um círculo virtuoso interminável. O maior espantalho virtual que existe, fora uma página que demora para carregar, é aquela mensagem de atualizado em Abril de 2000.

Resumindo – um pouco de jiu-jitsu no vale-tudo da Internet:

1) Antes de investir em propaganda, arrume a casa. Já se foi o tempo onde era fundamental ser o primeiro, quando tudo era novidade. As pessoas estão mais exigentes, e provavelmente você não terá uma segunda chance;

2) A coisa mais importante do mundo na net é a transmissão da informação. Ajude pessoas a encontrar o que precisam. Isso inclui desde o layout até como a informação é catalogada, buscada e apresentada;

3) Estabeleça parcerias. Não tenha medo de linkar-se com o máximo possível de sites. Ou porque você acha que se chama World Wide Web?;

4) Pelo amor de Deus, responda seus e-mails! Mais do que 24 horas e você é um amador pré-histórico. E não me venha com papo de tempo: aprenda a usar seu programa de e-mail para gerenciar eficazmente suas mensagens;

5) Estude o máximo que puder de Marketing Direto – todo mundo acha que o killer app da Internet é a personalização e o envolvimento com clientes, mas empresas que trabalham com marketing direto e database já estão fazendo isso há décadas, e você não precisa torrar milhões de reais para reinventar a roda. A única diferença é a mídia, a tecnologia e a velocidade – mas os conceitos são os mesmos: somos todos humanos. – Raúl Candeloro

Se compreendermos nossos dois clientes, poderemos então começar fazer aquilo que nos é proposto como designer que somos: criar soluções.

Um abraço a todos até a próxima.

Este post também esta publicado o site do iMasters: imasters.com.br/artigo/5861/teoria-do-design/o-cliente-sempre-tem-razao-mas-qual-deles

Cor: um elemento fundamental

Olá comunidade! Nos últimos dias venho recebendo um número grande e-mails onde o principal assunto é COR, e por esse motivo vou repassar algumas dicas para a sua melhor utilização.

Antes de começar, pare e pense! Qual é a cor de qualquer fast food que você frequenta? Seria vermelho e amarelo?

O fato de todos os fast foods serem da mesma cor não é uma coincidência. Existe todo um estudo sobre qual cor deve ser adotada para atingir o objetivo. Hoje, a criação de site conta com recursos novos a cada dia, mas o sucesso de um site não consiste apenas de tecnologia adotada, mas sim da interação do design e da tecnologia adotada.

A cor é um dos elementos que fazem com que o leitor seja instigado a permanecer em um site e ela deve estar em harmonia com o conteúdo apresentado. Então empregamos estrategicamente a cor, para que ela possa direcionar o olhar do internauta a regiões específicas do site.

Ao desenhar um site, devemos ter em mente que fatores como a idade, cultura, posição geográfica entre outros devem ser levados em conta para a escolha das cores a serem empregadas no site. Assim como muita gente compra um determinado produto só por que gostou da embalagem, devemos, como designers, fazer uma ótima embalagem dos nossos projetos.

Um amarelo brilhante e ensolarado é adequado para um site de resort, mas, para um escritório de advocacia,
pode sugerir covardia. “Usamos a cor conjugando-as com o que o site aborda e ao conteúdo. Se é um site de texto, podemos colocar cores que contribuam para a dinâmica da leitura. Já num site onde a rotatividade de imagens é alta, usa-se harmonias sutis que não entrem em conflito com o produto, o que é comum em um site de vendas, por exemplo.”

Harmonias de cores

Harmonia triádica

Na harmonia triádica, são usadas três cores equidistantes no círculo das cores. Um triângulo equilátero dentro do círculo
das cores indica quais são elas. Exemplo: amarelo, azul e vermelho, usando apenas cores primárias.

Harmonia análoga

Usando o mesmo círculo cromático (dessa vez sem a ajuda do triângulo), tem-se a harmonia analógica: três cores bem próximas são selecionadas, em que uma delas é tida como predominante. É uma sequência de cores.

Harmonia complementar

Utiliza cores complementares, como amarelo e violeta, azul e laranja, verde e vermelho.

Harmonia de qualidade

Contraste de claro e escuro, usando as variações de uma mesma cor. Exemplo: uma página inteira em tons de azul, cortada por uma cor forte, que se destaca nessa variação.

Cores quentes X cores frias

Outras combinações envolvem o uso de cores quentes com cores frias. O contraste de uma cor com a outra marca a composição do site

Dicas para a criação de um site harmonioso

. Utilize destaques de cor para capturar o olhar do usuário. São tons semelhantes, entrecortados por uma cor mais forte, atraindo atenção para informações específicas da página.
. Use poucas cores.
. Harmonias dinâmicas (contrastes fortes) funcionam muito bem com páginas de texto.
. Harmonias sutis (contrastes baixos) funcionam melhor com imagens.

E ainda há mais, mas por enquanto é só. Em breve volto com este assunto e algumas dias práticas. Espero que tenham gostado. Um abraço!

Este artigo também está publicado no site do iMasters: imasters.com.br/artigo/5176/teoria-do-design/cor-um-elemento-fundamental